As leis da simplicidade no design
Você está em Home Artigos técnicos As leis da simplicidade no design

As leis da simplicidade no design

A base do design process para evitar desperdício de tempo e retrabalho

The Laws of Simplicity (LOS), escrito por John Maeda foi lançado em 2006, nos mostra 10 regras simples e úteis para bons projetos de design, onde o “menos é mais”, mostrando a importância de que um bom layout consiste no simples:

LEI 1 / REDUZIR

A maneira mais fácil de simplificar um sistema é remover a funcionalidade. O DVD de hoje, por exemplo, tem muitos botões, se tudo o que você quer fazer é reproduzir um filme. Uma solução pode ser remover os botões para Retroceder, Avançar, Ejetar e assim por diante até restar apenas um botão: Reproduzir.

Mas e se você quiser reproduzir uma cena favorita? Ou pausar o filme enquanto você faz aquela pausa importante no banheiro? A questão fundamental é: onde está o equilíbrio entre simplicidade e complexidade?

Por um lado, você quer que um produto ou serviço seja fácil de usar; Por outro lado, você quer que ele faça tudo o que uma pessoa pode querer fazer.
O processo de alcançar um estado ideal de simplicidade pode ser verdadeiramente complexo, portanto, permita-me simplificá-lo para você. A maneira mais simples de obter simplicidade é através da redução cuidadosa. 

LEI 2 / ORGANIZE

Organização faz um sistema de muitos parecer menos: A casa é geralmente o primeiro campo de batalha que vem à mente quando se enfrenta o desafio diário de gerenciar a complexidade. As coisas simplesmente parecem se multiplicar. Existem três estratégias consistentes para alcançar a simplicidade no reino da vida: 1) comprar uma casa maior, 2) colocar tudo que você realmente não precisa no armazenamento, ou 3) organizar seus ativos existentes de maneira sistemática.

Essas soluções típicas têm resultados mistos. No início, uma casa maior diminui a relação entre a desordem e o espaço. Mas, em última análise, o maior espaço permite mais confusão. A rota de armazenamento aumenta a quantidade de espaço vazio, mas pode ser imediatamente preenchida com mais coisas que precisam ser armazenadas.

Existem apenas duas perguntas a serem feitas no procedimento de desconfiguração: “O que esconder?” e “Onde colocar isso?” Sem muita reflexão e com as mãos suficientes no convés, um quarto confuso fica livre de desordem em pouco tempo, e permanece assim por pelo menos alguns dias ou uma semana.

No entanto, a longo prazo, um esquema eficaz de organização é necessário para alcançar um sucesso definitivo na domesticação da complexidade. Em outras palavras, a questão mais desafiadora de “O que acontece com o quê?” precisa ser adicionado à lista. Por exemplo, em um armário, pode haver agrupamentos de itens semelhantes, como gravatas, camisas, calças, jaqueta, meias e sapatos. Um guarda-roupa de mil peças pode ser organizado em seis categorias, e ser tratado no nível agregado e obter maior capacidade de gerenciamento. Organização faz um sistema de muitos parecer menos.

LEI 3 / TEMPO

A pessoa média passa pelo menos uma hora por dia esperando na fila. Acrescente a isso os incontáveis ​​segundos, minutos, semanas gastos esperando por algo que pode não ter ganho algum.

Algumas dessas esperas são sutis. Esperamos que a água saia da torneira quando giramos a maçaneta. Aguardamos a água no fogão ferver e começamos a nos sentir impacientes. Esperamos que as estações mudem. Algumas das esperas que fazemos são menos sutis, e muitas vezes podem ser tensas ou incômodas: esperar que uma página da Web seja carregada por exemplo.

Ninguém gosta de sofrer a frustração de esperar. Assim, todos nós, consumidores e empresas, muitas vezes tentamos encontrar maneiras de superar a mão do tempo. Nós saímos do nosso caminho para encontrar a opção mais rápida ou qualquer outro meio para reduzir nossa frustração. Quando qualquer interação com produtos ou prestadores de serviços acontece rapidamente, atribuímos essa eficiência à simplicidade percebida da experiência.

Quando forçada a esperar, a vida parece desnecessariamente complexa. Economias no tempo parecem simplicidade. E somos gratos quando acontece, o que é raro.

LEI 4 / APRENDA

Operar um parafuso é enganosamente simples. Basta acoplar as ranhuras no topo da cabeça do parafuso à ponta apropriada – com ranhuras ou Phillips – de uma chave de fenda. O que acontece a seguir não é tão simples, como você pode ter observado ao observar uma criança ou um adulto tristemente protegido, girando a chave de fenda na direção errada.

Então, enquanto o parafuso é um design simples, você precisa saber qual o caminho para transformá-lo. O conhecimento torna tudo mais simples . Isto é verdade para qualquer objeto, não importa quão difícil seja. O problema de ter tempo para aprender uma tarefa é que muitas vezes você sente que está perdendo tempo, uma violação da terceira lei . Estamos bem conscientes da abordagem de mergulhar na cabeça primeiro – “Eu não preciso das instruções, deixe-me apenas fazer isso.” Mas, na verdade, esse método geralmente leva mais tempo do que seguir as instruções do manual.

LEI 5 / DIFERENÇAS

Ninguém quer comer apenas sobremesa. Mesmo uma criança que é permitida comer sorvete três refeições por dia acabará por cansar seu dente doce. Da mesma forma, ninguém quer ter apenas simplicidade. Sem o contraponto da complexidade, não poderíamos reconhecer a simplicidade quando a vemos. Nossos olhos e sentidos prosperam, e às vezes recuam, sempre que sentimos diferenças.

Reconhecer o contraste ajuda a identificar as qualidades que desejamos – as quais, com frequência, estão sujeitas a mudanças.

Simplicidade e complexidade precisam um do outro. Quanto mais complexidade houver no mercado, mais se destaca algo mais simples. E como a tecnologia só continuará crescendo em complexidade, há um claro benefício econômico em adotar uma estratégia de simplicidade que ajudará a diferenciar seu produto. Dito isto, estabelecer um sentimento de simplicidade no design requer tornar a complexidade conscientemente disponível de alguma forma explícita.

LEI 6 / CONTEXTO

Há algo sobre como nossos olhos e mãos trabalham em conjunto. Imagine-se na roda de oleiro, esculpindo cada detalhe com intensa concentração. Tudo o que importa está acontecendo em primeiro plano, na ponta dos dedos e está completamente dentro do seu campo de visão imediato. Seu telefone celular liga ou a campainha toca, e esse circuito mais apertado de controle é interrompido enquanto o fundo surge em primeiro plano. Felizmente você percebe que uma panela no fogão está fervendo, ou percebe que sua mão foi cortada e sangra sem supervisão.

Enquanto as palavras “estreiteza” e “foco” significam essencialmente a mesma coisa, a primeira tem uma conotação negativa enquanto a segunda tem uma conotação positiva. Um atleta que chega às Olimpíadas, por exemplo, não é “estreito”, mas focado. Mas o foco nem sempre é bom.

LEI 7 / EMOÇÃO

Simplicidade pode ser considerada feia. Tome minha mãe que absolutamente despreza qualquer coisa de cor neutra ou forma minimalista. Ela quer flores de néon, sapos cheveweled e outros elementos decorativos.

De uma perspectiva racional, a simplicidade faz um bom sentido econômico. Objetos simples são mais fáceis e menos caros de produzir, e essas economias podem ser traduzidas diretamente para o consumidor com preços baixos desejáveis. Como evidenciado pela linha extremamente acessível de produtos simples da varejista de móveis Ikea, a simplicidade beneficia o comprador frugal. No entanto, há algumas pessoas, como minha mãe, que diriam que a simplicidade não é apenas barata, mas que também parece barato. Um forte senso de auto-expressão desmente todos nós humanos, e muitas dessas decisões que tomamos não são movidas somente pela lógica.

A sétima lei não é para todos – sempre haverá os modernistas teimosos que recusam qualquer objeto que não seja branco ou preto, ou então com superfícies claras ou espelhadas. Minha mãe acha o iPod totalmente desinteressante. Mais emoções são melhores que menos. Quando as emoções são consideradas acima de tudo, não tenha medo de adicionar mais enfeites ou camadas de significado.

LEI 8 / CONFIANÇA

Imagine um dispositivo eletrônico com apenas um botão sem rótulo em sua superfície. Pressionar o botão completaria sua tarefa imediata. Quer escrever uma carta para a tia Mabel? Vá em frente e pressione o botão. Clique. Uma carta foi enviada. Você sabe com absoluta certeza que saiu e expressou exatamente o que precisava. Isso é simplicidade. E não estamos longe dessa realidade.

Todos os dias o computador se torna cada vez mais inteligente. Ele já sabe seu nome, endereço e número do cartão de crédito. Sabendo onde a tia Mabel vive e tendo visto você escrever uma carta para ela antes, o computador pode enviar uma boa aproximação de um e-mail gentil com ela. Basta clicar em um botão e a ação pode ser feita – finito. Se a mensagem é coerente e mantém você na lista de Natal da querida tia Mabel, é outra história, mas esse é o preço de não ter que pensar. Na simplicidade nós confiamos.

LEI 9 / FRACASSO

Há sempre um ROF (Return On Failure – Risco de Falha) quando você tenta simplificar – que é aprender com seus erros. Quando confrontado com o fracasso, um bom artista, ou qualquer outro membro da classe criativa, aproveita o evento infeliz para mudar radicalmente a perspectiva. O experimento falho de uma pessoa na simplicidade pode ser o sucesso de outra pessoa como uma bela forma de complexidade. Simplicidade e complexidade mudam com mudanças sutis no ponto de vista.

Concentre-se na beleza profunda de uma flor. Observe os muitos fios finos e delicados que emanam do centro e as gradações sublimes de matiz que ocorrem mesmo na flor branca mais simples. Complexidade pode ser linda. Ao mesmo tempo, a bela simplicidade de plantar uma semente e apenas adicionar água está no começo da flor mais complexa. Um código de computador relativamente simples pode produzir uma arte visual surpreendentemente complexa. Por outro lado, a complexa rede de servidores e algoritmos do Google produz uma experiência de pesquisa simples. Considerar algo tão complexo ou simples requer um quadro de referência.

LEI 10 / “THE ONE”

Simplicidade é subtrair o óbvio e adicionar o significativo: Dez leis (10: um, zero), remova nenhuma (0: zero), e você fica com uma (10: uma). Em caso de dúvida, volte para a décima lei: a primeira. É mais simples assim.

Referências

http://lawsofsimplicity.com/

Junte-se a mais de 150 clientes que já estão transformando o mundo digital & mobile!

Quero um orçamento

 

Diogenes Junior - Mercurio

O símbolo de Mercúrio: representa o mensageiro alado dos Deuses. Na mitologia romana, Mercúrio é o deus do comércio e das viagens.